PREPARAÇÃO PARA O 1º TESTE DE HISTÓRIA A - 10º ANO

Print Friendly Version of this page Print Get a PDF version of this webpage PDF
UNIDADE 1: O MUNDO ATENIENSE


Democracia antiga

Foi na Grécia, mais propriamente na cidade-estado (polis) de Atenas, no século V a.C. que nasceu a democracia. Era uma forma de governo totalmente nova e os seus criadores achavam ser a mais justa e a mais conforme com a dignidade do ser humano.
A Grécia foi, entre os séculos XX e XVII, invadida por sucessivas vagas de povos indo-europeus que aí se instalaram. Juntos deram origem aos Gregos ou Helenos (Helenos porque se julgavam filhos de Hélen) (Gregos foi-lhes dado mais tarde pelos latinos)


Um mundo de cidades-Estado

A Grécia antiga compreende-se na Península balcânica (Grécia continental), nas costas da Ásia menor (Grécia asiática), e entre estas duas margens, as numerosas ilhas que pontuam o mar Egeu (Grécia insular). O território grego é um território montanhoso e recortado que o mar mediterrâneo penetra profundamente.


A Polis

A polis termo pelo qual os gregos designavam as pequenas comunidades em que viviam.

O mundo helénico era constituído por uma multiplicidade de polis, minúsculas comunidades independentes organizadas em torno de um núcleo urbano.
Cada polis (ou cidade-Estado), ocupava naturalmente um território próprio.
A Atenas, por exemplo, pertencia a Ática. A Ática incluía zonas agrícolas e montanhosas, um porto de mar, o Pireu, tudo girando em volta da cidade. Os cidadãos atenienses viviam indiscriminadamente em qualquer lugar da Ática, dedicando-se às mais variadas ocupações.
A população de Atenas era sua na maioria, formada por escravos e estrangeiros, aos quais não era reconhecido o estatuto de cidadão. Por isso, o corpo cívico (conjunto de cidadãos) era muito reduzido.
Aos cidadãos, e só a eles, cabia a condução dos negócios públicos, a organização das cerimónias religiosas e a feitura das leis, às quais os gregos davam enorme respeito.
O território, o corpo cívico e um conjunto de leis próprias eram, pois, imprescindíveis à existência da polis. Os Gregos pensavam que a sua sobrevivência como comunidade autónoma só estaria assegurada se a polis se bastasse a si própria em todos os aspectos, nomeadamente no aspecto económico.
Este ideal de autarcia, palavra grega que significa auto-suficiência, prendia-se não só com o espírito orgulhoso e independente dos helenos, como as profundas rivalidades que dividiram as cidades-Estado e semearam entre elas a discórdia a até a guerra.
Para os Gregos, a pequena polis tinha a dimensão ideal, aquela que permitia, bem melhor do que a dos grandes impérios, desenvolver a habilidade politica e as qualidades morais, estéticas e intelectuais dos cidadãos que a constituíam.



A organização do espaço cívico

A acrópole era o centro da vida religiosa e politica da cidade. Aí se situavam as residências do rei e dos nobres e os principais templos.

Porém, com o passar do tempo, a acrópole tornou-se sobretudo um local de culto. Nela se erguiam os principais templos da cidade e para ela se encaminhavam tanto as grandes procissões como aqueles que, individualmente, pretendiam honrar os deuses com as suas oferendas.

A vida quotidiana das cidades das cidades helénicas desenrolava-se, sobretudo, na parte mas baixa da cidade, onde se situava a ágora ou praça pública.

A ágora era a praça pública das cidades gregas, localizada na sua parte mais baixa. Era o centro político, económico e social da cidade, partilhando ainda com a acrópole funções religiosas.

É na ágora que, durante a manha, se realiza o mercado e, durante a tarde, os cidadãos se encontram para conviver e discutir os assuntos da polis. Constroem-se também templos e altares, porque a religiosidade dos Gregos obriga a que os deuses estejam por toda a parte.
Em redor da agora espalham-me casas, de inicio desalinhadamente, depois, em algumas cidades gregas, alinhadas de forma geométrica.

Valorizando a vida cívica e religiosa, os Gregos erigiam templos e edifícios públicos requintados, obra dos seus melhores artistas. Na agora e na acrópole situavam-se, por isso, os mais belos edifícios da cidade. Em contrapartida, os bairros residenciais eram geralmente acanhados, com ruas estreitas e pequenas casas cúbicas.

O homem Grego desconhecia aquilo a que chamamos “comodidades”, pois levava uma vida simples e austera. Era ao ar livre que o homem grego passava grande parte do seu tempo, que tratava dos negócios públicos e privados, que convivia, que filosofava, que exercitava o corpo, que assistia as peças de teatro…


Democracia Ateniense

No conjunto das cidades-Estado gregas, Atenas ocupava um lugar destacado. Para além do seu poderio económico e militar, a polis ateniense tornou-se num brilhante centro cultural e político.
Um dos aspectos que mais contribuíram para o prestígio da cidade foi a sua original forma de governo. Os Atenienses chamaram-lhe democracia.
Este sistema democrático não se implantou facilmente. De inicio o governo da cidade estava reservado, em exclusivo, a um conjunto de ricos proprietários que só muito dificilmente aceitaram abrir mão do seu poder





Os direitos dos cidadãos: insomomia, isocracia e isegoria

Fundamento dos regimes democráticos, a igualdade entre todos os cidadãos.

Em 1º lugar, a igualdade perante a lei ou insonomia. A nenhum cidadão são concebidos privilégios baseados na riqueza ou no prestígio da sua família

Em 2º lugar, a igualdade de acesso aos casos políticos ou isocracia. Todo o cidadão ateniense tinha o direito e o dever de participar no governo da polis. Todos tinham igual direito de voto.

Em 3º e ultimo lugar, o igual direito de todos ao uso da palavra ou isegoria. Nas assembleias, nos tribunais ou no exército das magistraturas, todos podiam defender livremente as suas opiniões.


Uma democracia directa

Na Grécia não havia partidos políticos nem havia um corpo Professional de juízes ou de altos funcionários do Estado. Cada cidadão actuava por si próprio, desempenhando à vez, os cargos necessários ao bom andamento dos assuntos da cidade. A democracia grega era, por isso, uma democracia directa e todo aquele que se desinteressava dos assuntos públicos era malvisto pela polis.


O exercito dos poderes

A eclésia ou Assembleia Popular
- assembleia de todos os cidadãos. Competia à eclésia discutir e votar as leis, decidir da paz da guerra, apreciar a actuação dos magistrados ou deliberar sobre outro qualquer assunto que respeitasse ao governo da cidade


UMA ASSEMBLEIA

A bulé ou conselho dos 500
- poder legislativo (fazer as leis), uma vez que elaborava as propostas do rei e toma decisões correntes. Formavam este concelho 500 membros, sorteados anualmente, à razão de 50 por tribo. Ninguém podia ser membro da bulé mais de duas vezes na vida

DOIS MAGISTRADOS

Os estrategos
- 10 magistrados eleito anualmente. Os únicos magistrados eleitos com base na sua competência. Funções militares. Comandavam a marinha e o exército

Os arcontes
- 10 magistrados, sorteados anualmente. Presidiam aos tribunais. Competia-lhes as funções religiosas e judiciais. Verificam as leis

DOIS TRIBUNAIS

O areópago
- 6000 juízes, sorteados anualmente. Tribunal formado por antigos arcontes, normalmente pessoas de idade que exerciam o cargo vitaliciamente. Julga crimes de homicídio, incêndios e envenenamentos. Questões religiosas

O helieu ou tribunal popular
- 6000 juízes com mais de 30 anos, sorteados anualmente. Tribunal que julga a maior parte dos processos


A importância da oratória

A oratória era o dom da palavra que permitia convencer e brilhar em politica. Todo o cidadão devia estar preparado para apresentar propostas e discuti-las na eclésia. Os oradores brilhantes desfrutavam de um elevado prestigio


A protecção à democracia

Muitos políticos, mais interessados nos benificios que podiam conseguir para si próprios do que no bem comum, aliciavam os atenienses com propostas pouco sensatas e irrealizáveis para conseguirem o apoio popular. Então, o grande perigo que a democracia receava era a tomada do poder por um só homem. Para o impedir e para evitar excessivos confrontos pessoais entre os cidadãos, os legisladores atenienses estabeleceram o ostracismo.
O ostracismo era quando os membros da eclésia escreviam, numa pequena placa de barro, o nome de um cidadão que perturbasse o bom funcionamento democrático. Caso se reunissem 6000 votos com o mesmo nome, o ostracizado deixava a cidade por 10 anos.


Os limites da democracia antiga

A Ática teria, na segunda metade do século V a.C., uma população de cerca de 400 000 habitantes. Destes, apenas 40 000 eram cidadãos atenienses. Juntamente com as mulheres e filhos, os cidadãos deveriam formar um conjunto de 120 000 pessoas. Mas as mulheres não contam politicamente. Eram apenas mulheres, não eram cidadãs.
Tinham o estatuto de cidadão os indivíduos de sexo masculino, filhos de pai e mãe atenienses, aos quais estavam reservados, a governação da cidade e outros privilégios (casas, terras)
Os metecos atingiam 70 000 a 90 000 habitantes. Os metecos tinham participação na vida politica mas não eram considerados cidadãos.
Por fim, em maior quantidade, 200 000 escravos despojados de todos os direitos e até da sua condição de ser humano




Os excluídos: mulheres, metecos e escravos

As mulheres atenienses poucos direitos tinham. As mulheres dedicavam-se aos trabalhos domésticos e a educação das crianças. Não lhes era reconhecido o direito de se disporem da sua pessoa ou de administrarem os seus bens. Se enviuvavam, ficavam sob a autoridade do filho mais velho, ou, se não tiverem filhos, do parente mais próximo.
Nas casas abastadas, as mulheres habitavam numa zona específica, o gineceu, onde acompanhadas pelas escravas passavam a maior parte da vida. Com excepção das grandes festas religiosas, em que participavam só muito raramente, saíam a rua. Não iam sequer ao mercado. As compras eram tarefa e privilégio masculino.
A sua maior virtude era passarem despercebidas (fazer com que falassem dela o menos possível, para o bem ou para o mal)

Meteco, designação dada ao estrangeiro, geralmente oriundo do mundo grego, que residia na polis ateniense. Em Atenas estava-lhe vedada a aquisição de terras e a participação na vida politica. A lei impedia-os de participar no governo, desposar uma ateniense e de possuir terras ou casas. Estavam obrigados a pagar um imposto, o metécio, e à prestação de serviço militar.
Os metecos desempenham um papel económico muito importante, assegurando a maior parte da produção artesanal e das trocas comerciais. Foram poucos os que conseguiram elevar-se à condição de cidadãos.

Os escravos constituíam praticamente metade da população da Ática. Eram na sua maioria, de origem estrangeira - prisioneiros de guerra ou adquiridos nos mercados da Ásia menor. A lei não lhes reconhecia personalidade civil, nem família e muito menos, o direito de possuir bens. Os escravos eram considerados como uma vulgar mercadoria e até equiparados a animais


A educação para o exercício público do poder

Em Atenas, é necessário converter os jovens em homens cultos, corajosos, sensíveis, ao belo e empenhados na vida politica da cidade.
Até aos 7 anos, as crianças eram educadas pela mãe no gineceu. A partir daí eram orientadas para os papéis que, mais tarde, deveriam assumir na sociedade: as raparigas ficavam em casa, onde aprendiam todos os louvores que competiam à mulher. Os rapazes iam a escola e preparavam-se para ser cidadãos.
O estado recomendava que aprendessem a nadar, a ler, a escrever e que praticassem exercícios físicos. O currículo compreendia-se na aprendizagem da leitura, da escrita e da aritmética.
A educação intelectual era contemplada com a preparação física. Exercitar o corpo era considerado tão necessário para exercitar a mente. Um cidadão tinha um serviço militar a cumprir, e, por isso deveria estar pronto para defender a sua polis sempre que necessário.
A preparação física continuava, a partir dos 15 anos, em escolas próprias, os ginásios. Nos ginásios ensinavam-se também matemática e filosofia.
No decurso do século V. a.C. correspondendo às necessidades oratórias abertas pela democracia, surgiram os sofistas, professores itinerantes que andavam de cidade em cidade, fazendo conferências e dando aulas.
Durante muito tempo, o termo “sofista” assumiu o sentido pejorativo de pessoa pouco recta, arrogante e superficial.
Apesar do escândalo que provocaram nos mais velhos por se fazerem pagar, o facto é que deslumbraram os jovens devido ao seu saber inciclopedico.


Share this article :
 

+ comentários + 1 comentários

29 de outubro de 2015 às 08:12

Fixe. É mesmo como esta no lisvro.
Encontrei um erro. Não é '' insomomia'' como esta escrito, mas sim isonomia :p

Enviar um comentário

 
Copyright © 2013. HISTÓRIA VIVA - All Rights Reserved
Template Created by Creating Website Published by Mas Template
Proudly powered by Blogger